As seis armas do Ser Humano contra a Máquina

Você já conhece e domina as armas do ser humano contra a máquina? Se você ainda não as conhece, vamos te apresentar todas as seis agora.

Para isso, nossas competências serão divididas em dois grupos: um das que estão se desvalorizando, e outro das que estão se valorizando muito…

E nas quais todo profissional de RH já está de olho.

Para explicar as principais diferenças entre estes grupos, vamos usar computadores na analogia. Neste caso, as “competências” da máquina são divididas em hardware e software.

hardware é a parte física do computador, as teclas, a tela, os componentes. Enfim, tudo o que podemos dimensionar, seja olhando, tocando ou medindo.

software são os sistemas, o que dá funcionalidade para as teclas, para tela, e para todos os componentes. O software determina como o hardware vai operar.

No caso do SER HUMANO, nossas competências são divididas entre:

Hard Skills:

Tudo o que somos capazes de produzir que é possível ser dimensionado: um projeto, uma meta de vendas, um prédio, um carro, enfim, tudo o que é possível ser medido.

Soft Skills:

Estão resumidas na forma como comandamos nossas Hard Stills. As Soft Skills influenciam nosso modo de agir, nossa interação social, a maneira como manipulamos dados. Enfim, é o modo como refletimos nossa mentalidade em nosso comportamento. As Soft Skills estão extremamente valorizadas, porque são elas que nos tornam seres tão individuais. É o que nos diferencia da máquina. Não precisamos de programação. Somos instintivos e racionais. Somos Seres Humanos.

A evolução das máquinas, no entanto, é facilmente capaz de substituir todas as nossas Hard Skills eventualmente. Porque as Hard Skills são habilidades programadas, e, em geral, o que for programável, uma máquina pode fazer. Mesmo coisas relativamente abstratas e que não sigam necessariamente um padrão.

Hoje, você encontra softwares capazes de substituir advogados Jr. Ou seja, robôs capazes de ler milhões de páginas em segundos, interpretá-las e dar uma sugestão de conduta do caso.

O mesmo fato se repete para robôs que leem notícias em diversos idiomas diferentes no mundo todo, as interpretam, e constroem um texto de caráter informativo em segundos. Lá se vão os jornalistas Jr. também.

Nem vamos falar dos robôs que estão fazendo cirurgias com a precisão de uma máquina, das impressoras 3D, e de mais uma lista gigantesca de tecnologias capazes de substituir a gente.

No entanto, em nenhum destes cenários elas atuam sozinhas. Afinal, as máquinas não são capazes de criar dados. Você ainda precisa de advogados e jornalistas injetando dados nessas máquinas. Então, as máquinas até podem produzir coisas de qualidade impecável, mas elas continuam dependendo da gente. Nossas Soft Skills ainda são muito mais sensíveis e avançadas que as de qualquer máquina.

Logo, em um cenário de coexistência entre homens e máquinas, estas são seis as armas no campo das Soft Skills para o ser humano triunfar sobre as máquinas na disputa no mercado de trabalho:

— Comunicação;

— Liderança;

— Pensamento Criativo;

— Ética Corporativa;

— Empatia;

— Resiliência.

Fonte: Equipe StartSe — Educação Executiva